Pular para conteúdo
Relações com Investidores

Histórico e Perfil Corporativo

A Companhia foi constituída em novembro de 1995, quando a Visa International, o Bradesco, o Banco do Brasil, o Banco ABN Amro Real (posteriormente incorporado pelo Santander) e o extinto Banco Nacional se reuniram para desenhar o que viria a ser a Companhia Brasileira de Meios de Pagamento. A Companhia naquela época adotou o nome fantasia “Visanet”, que era uma marca licenciada pela Visa International.
 
O negócio de cartões no Brasil era viabilizado pelos bancos emissores em conjunto com as bandeiras, na qual cada instituição financeira lançava seus próprios cartões, soluções de captura, rede afiliada e ações de marketing próprias. A criação da Companhia teve como principal motivador a necessidade de administrar as relações com toda a rede de Estabelecimentos Comerciais afiliados ao sistema da Bandeira Visa no Brasil, uma vez que havia um relacionamento de unicidade entre a Visa e a Companhia, na época unificando e desenvolvendo novas soluções de captura e realizando a liquidação financeira das transações.
 
Além disso, a criação da Companhia viabilizou a segregação dos papéis desempenhados pelos Emissores da Bandeira Visa e as atividades de adquirência, por ela desenvolvidas, e alavancou significativamente o crescimento do mercado de cartões de pagamento e a oferta de produtos relacionados a este setor e tornou as transações com os cartões de pagamento da Bandeira Visa realizadas no Brasil mais seguras e eficientes.
 
Em 1996, a Companhia começou a operar com uma rede afiliada de mais de 100 mil Estabelecimentos que já mantinham relações comerciais com os bancos fundadores, oferecendo serviços de captura, processamento e liquidação relacionados apenas ao cartão de crédito.
 
Nos anos seguintes, a Companhia lançou serviços relacionados aos novos produtos Visa, tais como o cartão de débito Visa Electron, que consolidou o uso do dinheiro eletrônico; o Visa Vale Pedágio e a prestação de serviços para os cartões de benefícios refeição e alimentação Visa Vale, substituindo os tíquetes de papel utilizados para o pagamento de refeições e para compras no supermercado por cartões eletrônicos com chip e tarja magnética.
 
Além de gerir a rede de aceitação da Bandeira Visa no Brasil, a Companhia passou a disponibilizar soluções para monitoramento, captura e processamento para Companhia Brasileira de Soluções e Serviços, (CBSS ou Alelo), emissores de cartões Private Label Híbrido e empresas do setor de saúde através da Companhia Brasileira de Gestão de Serviços (CBGS ou Orizon).
 
Em junho de 2009, a Companhia realizou a maior oferta pública inicial de ações da história do Brasil até então, totalmente secundária, a qual alcançou o total de R$ 8.397.208.920,00, dando início à negociação das ações, à época com o código VNET3 e atualmente sob o código CIEL3.
A Companhia utilizou Visanet como nome até a sua alteração para Cielo, deliberada durante Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 14 de dezembro de 2009. A alteração da denominação da Companhia marcou o primeiro passo para a adequação ao Cenário Multibandeira, que seria instituído no ano seguinte.
 
Com a implementação do Cenário Multibandeira, em 01 de julho de 2010, a Companhia passou a capturar e processar transações originadas por cartões de outras bandeiras além da bandeira Visa. O portfólio de produtos da Companhia destaca as quatro bandeiras mais aceitas internacionalmente, Visa, MasterCard, American Express, Diners Club International, além da JCB (Japan Credit Bureau), da Elo e outras bandeiras de menor circulação. Em 2011, a Companhia completou uma década de atuação no segmento de vouchers. O portfólio de vouchers da Companhia inclui Alelo, Sodexo, Sorocred, Policard, Good Card, Cabal Vale e Verocheque.
 
Em 2012, com a aquisição da Merchant e-Solutions através de uma subsidiária no exterior, a Companhia passou a ter presença nos Estados Unidos, a Companhia acredita que a Merchant e-Solutions, com sua plataforma tecnológica de ponta, reforça sua cultura de prover soluções e serviços inovadores para seus clientes no Brasil. 
 

Em novembro de 2014, a Companhia firmou um acordo de associação com a BB Elo Cartões Participações S.A. (“BB Elo Cartões”), subsidiária integral do Banco do Brasil para criação da Cateno com o objetivo de gerir as contas de pagamento das transações oriundas das operações de cartões de crédito e da funcionalidade de compras via débito dentro do Arranjo de Pagamento Ourocard. Tal iniciativa está alinhada com o planejamento estratégico da Companhia que busca criação de valor para o acionista por meio do crescimento, da diversificação de receita em negócios relacionados aos pagamentos eletrônicos e de maior eficiência operacional. A Cateno foi criada em 27 de fevereiro de 2015 e seu capital social
está dividido na proporção de 30% para a BB Elo Cartões e 70% para a Companhia.

Em abril de 2016, a Cielo inovou e lançou para o mercado a Cielo LIO, uma plataforma aberta, idealizada do Hardware ao Software para atender às necessidades do varejo brasileiro, integrando vendas aos sistemas de gestão dos estabelecimentos.

Com um sistema operacional próprio, o CieloOS – baseado em Android – proporciona a inovação colaborativa com o desenvolvimento de aplicativos próprios em um ambiente aberto e altamente adaptável para cada perfil de cliente. A Cielo Store foi desenvolvida para que os APPs sejam distribuídos a todos os estabelecimentos que, para obtê-los, basta adquiri-los via download direto na loja.

Em 27 de abril de 2017, o Banco Central do Brasil (“Banco Central”) emitiu autorização para a Cielo atuar como instituição de pagamento em funcionamento na modalidade credenciadora (“Autorização”).

A Autorização decorre da Lei n° 12.865/2013 e de um conjunto de normas expedidas pelo Conselho Monetário Nacional (“CMN”) e pelo Banco Central, que definem o marco regulatório aplicável aos arranjos de pagamento e instituições de pagamento integrantes do Sistema de Pagamentos Brasileiro (“SPB”), incluindo a atividade de credenciamento de estabelecimentos comerciais, conforme desenvolvida pela Companhia. Este conjunto de normas têm por objetivo principal modernizar os instrumentos de pagamentos com foco na eficiência e segurança do SPB, sendo que sua aplicação, bem como a supervisão das chamadas instituições de pagamento (tal qual a Companhia) passa a ser de responsabilidade do Banco Central.
 

A Cielo é a adquirente líder do setor de cartões de pagamento no mercado brasileiro, em termos de Volume Financeiro de Transações. A Companhia conta com aproximadamente 1,8 milhão de clientes credenciados ativos, estando presente na vasta maioria dos municípios brasileiros.

A partir de partir de 1º de Julho de 2010, o mercado de cartões, especificamente o setor de adquirência, passou a viver um novo cenário competitivo. Tal data marcou o início das operações multi-adquirência, ou seja, com as adquirentes capturando e processando as principais bandeiras. Esta mudança contemplou as recomendações sugeridas pelo grupo formado pelo Banco Central, Secretaria de Direito Econômico (SDE) e Secretaria de Acompanhamento Econômico (SEAE) após estudo detalhado do setor: a abertura da atividade de credenciamento e a interoperabilidade de POS.

A Cielo focou-se nos seguintes atributos para definir seu posicionamento competitivo:

·         CONFIABILIDADE: trabalhamos com redundância de sistemas de rede e elevados critérios de monitoração do negócio, implicando em 99,995% de disponibilidade.

·         DISTRIBUIÇÃO: mesmo já tendo a maior base de clientes do Brasil, continuamos afiliando novos lojistas.

·         INOVAÇÃO: estamos constantemente buscando inovar através do lançamento de produtos diferenciados, entre eles, correspondente bancário, contactless (pagamento por proximidade ou sem contato), pagamento via celular e Cielo Promo (anteriormente denominado plataforma promocional).

·         RELACIONAMENTO DIFERENCIADO: nossa força de vendas está mais do que nunca presente no dia-a-dia do cliente, ofertando nosso amplo portfólio de produtos.

A Companhia também realiza a instalação e manutenção dos Equipamentos de Captura que aluga para os clientes.

Entre seus principais acionistas estão sociedades dos conglomerados financeiros do Banco do Brasil e Bradesco que estão classificados entre os maiores bancos de varejo do Brasil em termos de número de agências, segundo dados do Banco Central. A Companhia acredita que a presença de seus principais acionistas na maior parte do território nacional lhe conferiu condição privilegiada na aceitação de seus serviços, o que contribuiu para a posição de liderança que ocupa atualmente.

A Companhia tem apresentado crescimento contínuo ao longo da sua história, sendo que no período compreendido entre 2015 a 2016, apresentou uma taxa de crescimento de 6,7% em Volume Financeiro de Transações, passando de R$548,2 bilhões em 2015 para R$584,9 bilhões em 2016. Adicionalmente, considerando o mesmo período, a Companhia apresentou uma leve queda na Margem de EBITDA de 2,1 pontos percentuais, passando de 47,1% em 2015 para 45,0% em 2016.

Além dos produtos e serviços tradicionalmente oferecidos no mercado de meios eletrônicos de pagamento, a Companhia tem histórico em oferecer soluções inovadoras em segmentos que tenham sinergia com suas atividades, sendo pioneira na oferta de infra-estrutura de rede para correspondente bancário, recarga de celular, voucher eletrônico e Saque, e na captura e no processamento de transações eletrônicas que não envolvem pagamento, como conectividade e autorização de transações no segmento de saúde.

A Companhia acredita que a diversidade do portfólio de seus produtos e serviços é resultado de esforços constantes na identificação de novos ramos de negócios que possam maximizar e otimizar o uso de sua rede e seus ativos.

 

 

em milhões de R$ Exercício encerrado em 31 de dezembro
  2016 2015 %Variação
2016-2015
Receita Líquida 12.300,8 11.122,3 10,6%
Lucro Líquido 4.005,5 3.511,4 14,1%
Outras Informações:
Margem Líquida 32,6% 31,6% 1,1 p.p.
EBITDA 5.535,1 5.233,5 5,8%
Margem EBITDA 45,0% 47,1% -2,1p.p.
 
em milhões de R$ Exercício encerrado em 31 de dezembro
  2016 2015 %Variação
2016-2015
Cartões de Crédito:
Volume Financeiro de Transações
(em R$ Milhões)
329.294 320.505 2,7%
Quantidade de Transações
(em milhões)
2.772 2.663 4,1%
Cartões de Débito:
Volume Financeiro de Transações 255.643 227.647 12,3%
Quantidade de Transações
(em milhões)
3.959 3.537 11,9%
Clientes (em mil) 1.648 1.800 -8,4%